Df Projetos, arquitetura e design de interiores

ARTIGOS

artigos, que falam de grandes artigos Digo-lhes hoje, meus amigos, embora nos defrontemos com as dificuldades na arquitetura, de hoje e de amanhã, que eu ainda tenho um sonho. E um sonho profundamente enraizado num sonho transformador.

Eu não gosto de você!

Eu não gosto de você!

Sou uma mulher de 30 anos de idade, e cheia de vida, tenho filhos e minha vida é ótima, mas todos os dias eu sinto que me falta alguma coisa!

Eu ainda não sei por que sigo minha vida desse jeito, talvez os meus filhos seja este motivo, mas não posso culpa – lós por minhas ideias malucas de liberdade. Meu marido um homem incrível, me ajuda em tudo, me faz uma mulher feliz, mas eu ainda não entendo! O que tem de errado comigo.

Sentimentos dúbios afloram na minha mente, cada dia penso em fazer algo diferente, mas me vejo presa em minha realidade, mas, me vejo triste por esta acorrentada as minhas decisões passadas. Que triste destino esse meu!

Minhas amigas me dizem que eu deveria parar de pensar nestas coisas, mas, como se livra de pensamentos involuntários, como olhar para as coisas que tenho, sendo que estas coisas não me deixam ao menos satisfeita.

Acredito que ninguém pode me entender, acredito que nem mesmo gostando das minhas coisas eu posso viver com esta duvida.

Sim, eu não gosto de você! Não por culpa sua, mas por minha culpa…

Não sei se estou sendo trágica de mais, se estou elevando um sentimento desnecessário neste momento, mas realmente eu tenho problemas para conviver com você, e acho que sempre terei, mesmo já convivendo há tanto tempo com sua presença na minha vida.

Bom, um dia li em um livro que devo deixar as coisas que me chateai de lado, e quando li este esta frase até concordei, e com altivez tentei fazer o que o livro mandou, busquei parar de pensar em você, busquei até mesmo lhe confrontar em alguns momentos, porem em vão.

Em alguns momentos chego a pensar, que na verdade gosto de como você me traz certas indagações, de como em alguns momentos você me deixa mais esperta, mais atenta aos problemas, mas tenho que me liberta de você assim mesmo.

Ó duvida! Eu não gosto de você!

Mas, que a duvida seja em minha vida o ponto onde eu possa ficar atenta, e não o medo que me carrega para o canto escuro da minha casa.

Gostou do post? Comente!

%d blogueiros gostam disto: