Execução de obras e arquitetura

Execução de obras e arquitetura

Execução de obras e arquitetura Reduzir o tempo de execução de obras é sempre um desafio, mas há momentos em que é necessário, pois o cliente irá cobrar o prazo estipulado, algumas etapas anteriores da obra podem atrasar, há previsão de mau tempo etc. É nesse momento que uma questão se impõe: como acelerar o ritmo sem colocar em risco a qualidade final e os custos envolvidos?

Bem, não existe mágica, porém há algumas medidas que podem ser tomadas para reduzir o tempo de execução de obras, seja preventivamente ou diante de alguma demanda inesperada. E é sobre essas dicas que falaremos a seguir:

1. Uso da curva S

Ela é utilizada em qualquer tipo de projeto, tanto na indústria civil quanto na mecânica. Ela dita o ritmo ideal de trabalho acumulado. Assim, o início é sempre um pouco lento, mas há um momento em que a obra deslancha e, depois, no final, ela volta a desacelerar. Quando a evolução é posta em um gráfico, a cada dia, a curva será semelhante a um S.

As informações da curva S correspondem à evolução física e financeira da sua obra e os resultados observados dão um panorama de todo o ciclo de vida da construção. Justamente por ser uma medida de vigilância de produtividade é que esse conceito pode ajudar a reduzir o tempo de execução de obras. Já que, claramente, pode-se identificar os desvios entre o planejamento e a realização do projeto e, assim, tomar medidas para acelerar (ou, até mesmo, desacelerar, o ritmo de produção).

2. Planeje sua obra com bastante antecedência

A obra não pode ser tocada conforme a demanda, ou seja, você resolvendo problemas à medida que eles aparecem. É necessária uma visão focada no futuro, na qual se pode prever entraves e já calcular antecipadamente a quantidade de material que irá precisar.

Execução de obras e arquitetura

Nesse sentido, se faz essencial ficar de olho em pontos importantes como uso de materiais e recursos; logística e cronograma; produtividade de funcionários e máquinas. Se questione  sobre a execução de todas as atividades da sua obra, atente para prazos, qualidade e custos. Dessa forma, será mais fácil ter controle sobre a sua estratégia de produção, atingindo e – por que não? – superando metas. Mas, de maneira alguma, comprometa o desempenho das edificações.

3.  Reavalie as práticas construtivas na execução de obras

Antes de avaliar as práticas construtivas, sendo que são várias e cada uma atende a uma demanda da construção – tempo, custo etc, cabe a você identificar quais delas são mais eficientes e possíveis de aplicar na sua obra.

Gostou do post? Comente!