LGBT, uma arquitetura social

LGBT, uma arquitetura social

LGBT, uma arquitetura social Temos que mudar como vemos a vidas de pessoas que pensam diferente de nós, se não nunca nossa arquitetura será socialmente igualitária. Se tivermos que fazer sempre uma arquitetura que exclui as pessoas não deveríamos ser arquitetos de nada.

O grupo LGBT e outras siglas que não vale ser citadas aqui, devem ter seus direitos respeitados, ainda mais em um pais que onde as famílias expulsam seus filhos de casa, apesar pelo fato de um filho ou filha gostar do mesmo sexo.

Temos números alarmantes no nosso país onde pessoas passam anos nas ruas se drogando e até mesmo se prostituindo, depois de ser largado a sociedade sem nenhum preparo e com a mente em frangalhos, após passar um trauma de ser rejeitado por sua escolha sexual,

Temos aqui nosso canal e site o projeto de arquitetura que se intitula centro de convivência LGBT, onde pensamos em um espaço que acolha estes indivíduos e deem um lugar onde morar, estudar, aprender uma profissão seguir a vida divinamente.

LGBT, uma arquitetura social

Não estou aqui falando que tudo se resolveria com um centro de convivência LGBT, mas as coisas seriam mais fáceis para estas pessoas, muitos caem no mundo das drogas somente pelo fato de estar na rua sem fazer nada, e dar moradia a um ser um mano,  trata de dar a este individuo um sentido para vida.

Podemos dizer que um local onde as pessoas não os juguem pelas suas escolhas ou que os coloquem em um local de ser existente, pode ser dizer favorável a ele. E também vai dar ao mesmo um significado de profundidade e vida, e claro gerar objetivos e atratividades, além das drogas e de muitos outros problemas que pode ser causado por simples fato de ser rejeitado.

Veja em nosso canal, como fizemos nosso projeto que pode ser usado em seus trabalhos de faculdade e muito mais para assim você entender que toda arquitetura deve ser social independente da escolha de como seguir a vida de cada um.

Gostou do post? Comente!